Busca Livre de Imóveis

Dicas

Conheça as vantagens e cuidados na hora de comprar imóvel na planta

O imóvel comprado por Eumario Amorim na planta triplicou o valor venal após alguns anos. (Foto: Marina Silva/CORREIO)

A aquisição de um imóvel, seja para moradia ou investimento, pode ser feita de diversas formas e cada uma delas tem prós e contras. Um dos meios que oferecem um maior número de atrativos e facilidades para conquistar o tão sonhado patrimônio é a compra na planta, quando, geralmente, os preços são mais acessíveis, as condições de pagamento mais flexíveis, há perspectiva de valorização e possibilidades de personalização antes da entrega.

Foi justamente de olho nisso que o geólogo aposentado Eumario Amorim decidiu investir, em 2010, em um condomínio de casas, no Caji, em Lauro de Freitas. Até então, nunca havia comprado imóvel na planta, mas arriscou e se deu bem. “A reputação da empresa me deu um pouco mais de confiança. Na época da compra, o valor foi acessível, a região estava em desenvolvimento. Em oito anos, o valor triplicou. Recebo ofertas, mas prefiro administrar o patrimônio, que acaba ficando para a família”, diz. Após a primeira experiência, Eumario investiu em mais dois imóveis na planta. O mais recente foi um apartamento em Piatã, previsto para ser entregue em dezembro. Sem nem receber as chaves ainda, já chegou para ele propostas de compra do bem num valor que é R$ 40 mil acima do investido. “Além da valorização, tive a facilidade na entrada, já que parcelei o valor ao longo de um ano”.

São vantagens como as citadas por Eumario que levam outras pessoas a se interessarem pela compra de imóveis na planta, segundo o presidente da Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário da Bahia (Ademi-BA) e colunista do CORREIO, Claudio Cunha. Ele diz que, no período do boom da construção em Salvador, imóveis na planta chegavam a valorizar 30% entre o lançamento e a entrega das chaves. Ele avalia que hoje essa margem diminuiu bastante, fazendo com que a perspectiva de ganho seja variável.

Ainda segundo Cunha, em termos de facilidade, a compra na planta ainda é destaque. “As incorporadoras têm interesse em se capitalizar no período da construção, por isso as condições são bastante flexíveis, permitindo ao consumidor um maior tempo de planejamento com os gastos que serão feitos como, por exemplo, a personalização do imóvel após a entrega”, diz.

Luta pelo consumidor

No segmento popular do mercado imobiliário, a luta para atrair o consumidor com vantagens através da entrada é grande. Porém, o filão de clientes que buscam comprar o primeiro imóvel para sair do aluguel torna a venda mais fácil. “Ao adquirir um imóvel pronto, é comum que a construtora peça a entrada à vista, deixando caro para quem não tem uma boa reserva financeira. Antes da entrega, nós possibilitamos o parcelamento do sinal em até 60 vezes, facilidade que faz com que 90% dos nossos lançamentos se esgotem ainda na planta”, afirma o gerente regional da MRV, Luis Felipe Monteiro.

Já no médio e alto padrão, o contato com um consumidor mais cauteloso leva as construtoras a somarem os benefícios da entrada aos atrativos que apelam para um toque mais pessoal, como é o exemplo da Santa Emília, que lançou este ano um empreendimento que permite o cliente personalizar a planta do imóvel. “Trouxemos a personalização como o diferencial, pois entendemos que cada família tem necessidades particulares. Uns querem mais espaço na sala, ou uma cozinha maior. Outros preferem mais quartos. E ter isso já pronto na entrega do imóvel é um atrativo excepcional para o nosso cliente”, diz.

Veja quais cuidados tomar na hora da compra

Apesar das propostas atrativas a favor da compra do imóvel na planta, a modalidade demanda uma série de cuidados antes da assinatura do contrato, já que a empolgação com ideia de morar em um ambiente novo pode esconder pegadinhas que tornarão a realização de um sonho uma grande dor de cabeça.

Para o presidente da Ademi, Claudio Cunha, o primeiro passo antes de definir a incorporadora responsável pela construção do seu próximo imóvel é checar atentamente a reputação da empresa. “É fundamental investigar aspectos como o registro de incorporação daquele lançamento, que é o documento que permite a comercialização na planta. Além disso, busque referências sobre empreendimentos anteriores daquela empresa e a saúde financeira da incorporadora, pois isso influenciará no cumprimento dos prazos, evitandos sustos e decepções”, explica.

Já o corretor Cleber Praxedes, que atua no mercado imobiliário há 19 anos, recomenda que o consumidor não confie apenas na maquete do stand e visite o local da obra, além de estar atento a todas as cláusulas de desistência do contrato. “Checar o local é fundamental para que, além de ter uma noção do andamento da construção, o comprador possa ter uma boa noção do que oferece o lugar onde ele irá morar”, afirma. Ele destaca ainda que, além disso, é comum que algumas construtoras empurrem cláusulas um tanto abusivas para garantir que o negócio vingue. “Por isso, o comprador deve estar atento a tudo antes da assinatura do contrato”. Ele ressalta também que, em caso de atraso ou algum tipo de inconformidade, o cliente poderá ingressar na Justiça e solicitar a rescisão do contrato, exigindo a devolução da quantia paga com correções e ainda ganhar o direito de indenização.

Fonte: CORREIO